Professor Rubens Cardoso é o novo reitor da Uepa

O professor Rubens Cardoso é o novo reitor da Universidade do Estado do Pará (Uepa) para o quadriênio 2017-2021. A Cerimônia de Investidura de Cargo ocorreu na manhã desta segunda-feira, 29, no auditório do Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT), onde o professor – doutor em Ciências Agrárias - iniciou a carreira docente na Uepa. Cardoso terá como vice-reitor o professor Clay Anderson Chagas, doutor em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido. O agora ex-reitor Juarez Quaresma deixou o cargo e emocionou muitos colegas com a despedida.
 
O chefe da Casa Civil, José Megale, representou o governador Simão Jatene e secretários estaduais prestigiaram a cerimônia: a titular da Secretaria de Estado de Administração (Sead), Alice Viana que leu o termo de posse e assinou juntamente com o novo reitor; o secretário de Planejamento do Estado, José Alberto Colares; e o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica, Alex Fiúza de Mello. Também acompanharam a cerimônia reitores de diversas Instituições de Ensino Superior (IES) paraenses, bem como os professores Manoel Moutinho e Izabel Amazonas, ambos ex-reitores da Uepa.
 
Em sua primeira fala oficial como o novo gestor da Uepa, Rubens Cardoso frisou os desafios de comandar uma Instituição que tem por missão "o educar", além de citar a importância da união – tanto entre setores e comunidade da Uepa, quanto entre instituições e Secretarias do Estado – para que a Universidade possa ter prosperidade no próximo quadriênio.
 
Cardoso também ressaltou o preparo de seu vice-reitor, o professor Clay Anderson. “Ele possui uma trajetória de pesquisa extremamente exitosa, dentro e fora do Brasil e demonstrou neste pouco tempo de convivência um compromisso sério com as transformações que haveremos de fazer a cada dia para que a nossa Universidade cumpra sua destinação”, resumiu.
 
Presente na Uepa desde os anos 1990, Cardoso participou ativamente da oferta dos cursos de Especialização em Agentes de Inovação e Difusão Tecnológica e em Gestão do Agronegócio. “Atualmente, formamos 65% dos nossos alunos fora da capital. Não é tarefa fácil. Por vezes, temos que buscar na vontade, mais do que na inteligência, os mecanismos que impeçam a ampliação do grau de defasagem entre o estado-da-arte e a nossa responsabilidade de promover a formação com qualidade”, disse.
 
“Não podemos antepor a insuficiência à ineficiência. Temos que fazer ajustes internos na busca pela melhoria contínua dos processos e vincular cada vez mais nossas ações de ensino, pesquisa e extensão às estratégias e políticas do Estado. A Uepa é e sempre será grande e seu maior desafio será o de transformar-se, modernizar-se e adaptar continuamente suas funções e estruturas o que requer, além da suficiência de recursos, gestão profissionalizada e uso de novas tecnologias, decisão política, liderança e engajamento dos diferentes quadros de servidores e alunos que fazem a Uepa, a fim de que se sintam comprometidos com a própria mudança e com suas implicações, dando-lhe autenticidade e legitimidade, ao facilitar a incorporação, na cultura organizacional, da capacidade de pensar, de decidir e de atuar continuamente sob um marco de mudanças”, pontuou o novo reitor, que mencionou ainda a necessidade de ampliar o diálogo com o Ensino Médio, a fim de avaliar as expectativas dos estudantes e combater a evasão universitária com esclarecimento e informação aos futuros alunos.
 
O chefe da Casa Civil elogiou o novo gestor e salientou a importância da Universidade para o desenvolvimento do Pará. “A Uepa tem papel fundamental no progresso do Estado. Vem, a cada ano, dando provas da sua competência”, elogiou. Ele mencionou ainda os feitos recentes da gestão universitária, como a formatura da primeira turma de Licenciatura Intercultural Indígena em 2016, a qual classificou como “um marco extraordinário”.
 
“A Uepa não apenas vem gerando conhecimento e levando a formação profissional para todos os cantos do estado, mas atua ainda promovendo uma inovação que resgata a nossa história. A sociedade precisa de uma universidade que expresse seus sentimentos, e é isso que a Universidade faz e com muita propriedade”, concluiu Megale.
 
Na sua despedida oficial do cargo que ocupou durante 1.462 dias, o professor Juarez Quaresma destacou a discrição com que conduziu a Instituição e definiu Cardoso, que serviu na vice-reitoria, como um “co-reitor”. “Companheiro desde a primeira hora. Ele participou comigo de todas as tomadas de decisão, mesmo que muito respeitosamente colocando opiniões contrarias às minhas. Mas é da discordância salutar que decorrem as melhores decisões”, elogiou ele, que agradeceu, com a voz embargada de emoção, a todos os colaboradores da sua gestão.
 
“A conquista de uma Universidade mais próxima da comunidade, demonstrada através das ações que privilegiaram a inclusão social e o combate ao preconceito e à desigualdade foi uma das marcas da gestão que se encerra hoje”, comemorou o ex-reitor. Ele ressaltou a marca de quase 65% dos estudantes aprovados no vestibular 2017 serem de escolas públicas e a interiorização da Instituição, que através de seus campi e polos de Educação à Distância (UAB), leva formação superior a mais de 30 municípios do Pará.
 
Em 2013, a Uepa contava com 24 cursos de graduação. Ao fim do seu mandato, Quaresma deixa como legado um leque ampliado, com 31 cursos à disposição da sociedade. Além disso, concluiu o ano de 2016 com o menor Débito de Exercícios Anteriores (DEA) dos últimos tempos, fato relevante se levado em consideração o quadro de instabilidade econômica que o país atravessa. “Evidente que não passamos incólumes pela crise, mas encerramos este período de gestão com a consciência de que demos o melhor de nós”, concluiu.
 
Por Fernanda Martins